fbpx

A cura que vem através dos filhos.

"O que seu filho tem ajudado a curar por aí?"
É de se esperar que alguém que foi silenciado na infância com “engole o choro”, tenha dificuldade de lidar e acolher o choro dos filhos. Mas esse pode ser o caminho de cura. Para que acolhendo, acolha também a si mesmo.

Uma das coisas mais desafiadoras da paternidade, foi a forma como eu precisei olhar para a minha própria criação para poder pensar na criação dos meus filhos.

Não foi fácil lidar com a dor de perceber o silenciamento e o distanciamento afetivo que eu vivi na minha infância. E infelizmente, isso não diz apenas sobre mim e os meus pais, mas sobre uma geração inteira, que aprendeu que esse era o jeito de educar.

Nossos pais fizeram o melhor que podiam com a informação que tinham. Mas ainda assim, isso deixou marcas. E é muito importante que a gente consiga reconhecer essas marcas quando estamos lidando com os nossos filhos.

Entender que o choro deles, pode despertar os nossos choros silenciados. Que as emoções deles, podem nos lembrar das nossas emoções contidas pelo medo. Só que agora podemos mudar a história. Curar e acolher, como gostaríamos de ter sido acolhidos.

Se algo na sua relação com seu filho é difícil demais pra você, pode ser uma dessas marcas do que você viveu. Olha pra isso, tenta entender e cuidar. É o que eu sempre digo e volto a repetir:

Todas as vezes que você abraça seu filho, você se cura um pouco. Todas as vezes que você abraça seu filho, você é abraçado de volta.

O que seu filho tem ajudado a curar por aí?

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Quem realmente importa?

A forma como as pessoas reagem à birra dos nossos filhos, tem muito mais a ver com a história e infância delas, do que sobre o comportamento das crianças.

Leia mais »

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!