fbpx

Ainda Há Muito Alumínio Em Fórmulas, Segundo Estudo

"Estudo recente mostra que fórmulas de leite artificial para bebês ainda possuem altos níveis de contaminação por alumínio. Expor os bebês a esse tipo de intoxicação durante as primeiras semanas, meses e anos pode trazer consequências neurológicas graves. É necessário tomar uma ação agora sobre isso."
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

(traduzido e adaptado por Thiago Queiroz, da versão inglesa, link original)

Em 2010, o grupo na Universidade de Keele, liderado pelo Professor Chris Exley, publicou um trabalho mostrando que o teor de alumínio em fórmulas para bebês era muito alto (http://www.biomedcentral.com/1471-2431/10/63).

O grupo de Keele fez agora uma continuação desta pesquisa com um estudo ainda mais extensivo, olhando as 30 marcas mais populares de fórmulas para bebês no Reino Unido.

Os resultados mostram altos níveis de alumínio em cada uma das 30 fórmulas para bebês.

Na publicação, o teor de alumínio nas fórmulas é listado na ordem crescente para que os pais possam escolher um produto com a menor quantia de alumínio.

O Professor Exley disse: “Claramente, os fabricantes de fórmulas não estão preocupados em reduzir as quantidades de alumínio e o uso extensivo de embalagens à base de alumínio para fórmulas para bebês parece confirmar isso”.

“Não há um critério adequado no qual se possa basear um nível seguro para alumínio em fórmulas e por esta razão, o sensato seria tomar ações para reduzir os níveis de alumínio para o menor nível praticável”.

“Uma vez que os fabricantes não estão dispostos a resolver o problema dos teores de alumínio em fórmulas para bebês, agora deve ser o momento para o governo, através da Food Standards Agency, prover uma orientação nesta questão e indicar uma concentração máxima permitida de, por exemplo, 50 ppb (50 mg/L) de alumínio no produto em ponto de uso, como uma medida preventiva para proteger bebês contra a intoxicação crônica por alumínio durante as primeiras semanas, meses e anos de suas vidas”.

Este artigo foi publicado pela BMC Pediatrics.

 

Referência

Shelle-Ann M Burrell, Christopher Exley. There is (still) too much aluminium in infant formulasBMC Pediatrics, 2010; 10 (1): 63 DOI: 10.1186/1471-2431-10-63

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Comentários

2 comentários em “Ainda Há Muito Alumínio Em Fórmulas, Segundo Estudo”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!