Cantinho do Pensamento: Por Que É Uma Porcaria?

"O Cantinho do Pensamento é uma porcaria. Pronto, falei. O Cantinho do Pensamento busca atuar em cima do comportamento deixando de lado a relação entre pais e filhos. Por que afastar nossos filhos quando precisam de nós? Por que deixamos de olhar suas necessidades não atendidas e pensamos na punição?"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Nesses tempos doidos, onde encantadoras de bebês, super babás e demais adestradoras de crianças ditam a maneira com que nós criamos os nossos filhos, muita gente pensa que disciplinar nossos filhos é questão de seguir algumas regras criadas por autoras de livros best-sellers e pronto, os filhos estão criados.

Hmmm, bem, não é assim.

Ajudar os nossos filhos a trilhar seus próprios caminhos através do afeto e do respeito é muito difícil, principalmente para nós, pais e mães, que fomos criados por pais e mães tão autoritários. Guiar nossos filhos, mostrando a eles a diferença entre o certo e o errado, tentando passar para eles os nossos valores éticos, é algo que é muito mais difícil do que parece. E é por isso que não é possível escrever um post “ensinando” a disciplinar filhos dessa maneira, porque isso não existe. Disciplina é uma via de mão dupla e dia após dia, pais e filhos aprendem e se ensinam como viver nesse mundo.

Mas eu posso fazer uma coisa: posso escrever por que eu penso que o famoso “cantinho do pensamento” é uma porcaria.

Muitas pessoas pensam que o “cantinho do pensamento” é a cereja do bolo, mas não é. Na verdade, é a rachadura na parede que você não dá importância, mas que só vai aumentando. E por que, então, é um método tão famoso e considerado tão infalível? Eu diria que se deve ao fato de que, quando se trata de filhos, as pessoas tendem a pensar no curto prazo, no resultado imediato. O “cantinho do pensamento” dá resultado imediato, claro. Ele tira a criança, forçadamente, da situação em que ela se encontra incomodando seus pais.

Mas e aí? É só isso? Não, não é só isso. Artifícios de disciplina como o “cantinho do pensamento” vão minando, aos poucos, o vínculo que existe entre pais e filhos. Técnicas como essa não funcionam a médio e longo prazo e, por isso, eu acho que o “cantinho do pensamento” é uma porcaria. Tem tanto a se escrever sobre como essa técnica deveria ser excomungada da casa das pessoas, que eu vou tentar listar os motivos mais importantes aqui.

Você passa a mensagem errada para a criança

Quando você coloca o seu filho no “cantinho do pensamento”, você passa a mensagem errada para a criança. Enquanto você pensa que está dizendo ao seu filho:

– Eu quero que você vá para o “cantinho do pensamento” pensar no que você fez de errado.

Na verdade, você está dizendo isso ao seu filho:

– Eu só gosto de você quando você cumpre as minhas condições.

Forte, né? Incomoda, não? Desce meio quadrado pela garganta, né mesmo? Pois é assim mesmo que a mensagem chega para o seu filho. A mensagem principal que você dá para o seu filho através do “cantinho do pensamento” é que o amor é condicional. Que a criança precisa obedecer certas condições para ser amada e aceita. Você pode estar pensando agora:

– Mas peraí, não é isso que eu quero dizer para o meu filho!

Eu imagino que não, ninguém quer dizer isso! Mas acabamos dizendo nas entrelinhas. Nossos atos precisam refletir nossas desejos, e nós precisamos mostrar aos nossos filhos que o nosso amor é incondicional, que eles sempre serão aceitos pelos seus pais, sobretudo quando eles erram.

Afinal, se nós, pais e mães, não somos quem irão aceitar e amar nossos filhos sob qualquer circunstância, quem mais?

Você manda a criança pensar no que fez, só que não

Quando você manda seu filho para o “cantinho do pensamento”, você imagina que ele irá pensar sobre o que ele fez de errado e sobre por que você o colocou ali. Vamos parar por um momento e refletir: o que estamos exigindo dos nossos filhos condiz com a capacidade deles?

Imagine uma criança de dois anos, que ainda tem dificuldades de lidar com emoções fortes, como frustrações. Agora, imagine se essa criança terá alguma capacidade de lidar com pensamentos altamente abstratos, como os que você exige dela no “cantinho do pensamento”? O psicólogo Jean Piaget, por exemplo, disse que o desenvolvimento infantil ocorre de maneira tal que, a partir dos 7 anos, a criança começa a abstrair dados da realidade, mas somente aos 12 anos que a criança consegue atingir a capacidade da abstração total.

Ou seja, é extremamente ineficaz colocar uma criança para pensar sobre o que ela fez de errado. Mas sobre o que então ela irá pensar? Ué, sobre um monte de coisas, como a cor da parede, a fome que ela está sentindo, o brinquedo que está no chão e coisas do tipo. Além disso, o pensamento da criança pode ficar confuso com a mistura de sentimentos ruins provocados pelo castigo, que ela ainda não sabe lidar: rejeição, vergonha, medo, raiva e tantos outros sentimentos que nós não desejaríamos para nós mesmos.

Mas isso significa, então, que crianças a partir dos 7 anos, talvez 12 anos, podem ir para o “cantinho do pensamento”? De maneira nenhuma, e todos os outros motivos que eu apresento nesse post servem para justificar isso.

Você foca no comportamento, ao invés da relação

O problema da disciplina tradicional, que busca punir ou recompensar a criança, é que nos condiciona a pensar e agir sobre o comportamento. A partir daí, nós somos levados a pensar que o comportamento é um problema a ser resolvido, mas esse é um pensamento muito limitado. Pensar no comportamento como um problema é ignorar as necessidades não atendidas da criança por trás de um determinado comportamento.

Por mais difícil que seja fazer isso no dia a dia, é muito importante olharmos para a nossa relação com os nossos filhos, quando eles fazem algo que nós reprovamos por algum motivo. O que está faltando na relação? O que eles estão sentindo? O que eles querem dizer, fazendo isso? Perguntas como estas nos ajudam a enxergar o comportamento (e, principalmente o “mau comportamento”) como um meio de comunicação dos nossos filhos, acima de tudo.

Quase sempre, um “mau comportamento” é uma maneira de nossos filhos comunicarem uma necessidade não atendida que, muitas vezes, nem eles sabem como comunicar. Por exemplo, a criança que vai ao restaurante com os pais e começa a fazer um escândalo; será que ela não está cansada e desesperada para dormir? Ou um filho que fica muito agressivo quando o pai chega em casa; será que ele não está pedindo ajuda, porque deseja um vínculo mais próximo com o pai que ficou o dia inteiro fora?

Mudar o foco do comportamento para a relação é, talvez, uma das mudanças mais desafiadoras que precisamos fazer, quando optamos pela disciplina positiva. Não é como um interruptor, que você muda e pronto, mas é algo que você precisa reforçar a cada momento em que o seu filho faz algo que você não gosta. Um dia de cada vez. É assim comigo.

Você afasta seu filho quando ele precisa de você

A última coisa que nós, pais e mães, queremos é nos afastar de nossos filhos. Tudo o que buscamos fazer é nos aproximar dos nossos filhos, incentivando que os vínculos que criamos com eles sejam fortes e saudáveis.

Entretanto, afastamos nossos filhos no momento em que eles fazem algo de errado.

No momento em que eles mais precisam de acolhimento, nossos filhos recebem afastamento como resposta. Eu sempre fico imaginando que, se toda a vez que eu cometesse um erro qualquer, minha esposa me mandasse dormir na sala, o meu casamento seria uma porcaria. Amar é aceitar, é acolher, é estar próximo.

Se nós acostumamos nossos filhos com pais distantes desde o berço, seja deixando-os chorar sozinhos em um quarto ou seja colocando-os de castigo sozinhos, por que é que nós ainda nos surpreendemos quando eles crescem e se distanciam de nós? Nossos filhos não se distanciam de nós quando crescem, nós que nunca estivemos próximos a eles.

Vamos combinar uma coisa? Que tal tirar o banquinho do canto do quarto e colocar um vaso de flores no lugar?


Ah, e se você ficou com interesse de ler (e assistir) mais sobre o assunto, tem aqui no blog um texto sobre Os 3 Problemas do Castigo e um vídeo no meu canal do YouTube só sobre isso:

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou pai do Dante, Gael e Maya, e crio conteúdos para ajudar famílias a criarem seus filhos com afeto, empatia e sem violência. Sou líder certificado de grupo de apoio pela Attachment Parenting International, e também educador parental certificado pela Positive Discipline Association.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Veja esses conteúdos também!

Já Tentei de Tudo! – Paizinho no YouTube

A cria está chorando copiosamente, e você já tentou oferecer colo, já tentou abraçar, já tentou explicar, já tentou empatizar, e nada. O que fazer quando já tentamos de...

A Netflix, o Pocoyo e a Empatia

A crianças têm uma capacidade incrível de empatizar com todos ao seu redor. E quando eles empatizam com os personagens do desenho animado?

Comentários

178 comentários em “Cantinho do Pensamento: Por Que É Uma Porcaria?”

  1. Cléo Gonçalves

    Ah como eu queria que meus pais tivessem para mim um “banquinho do pensamento”, seria bem melhor do que apanhar por tudo, ou, por nada… eduquei meu filho com a cadeirinha do pensamento, hj está com 33 anos, é um filho maravilhoso, eduquei minha filha tbm com a cadeirinha do pensamento, está com 14 anos , uma menina bem educada, hoje eu cuido de 3 meninos e uso o banquinho do pensamento, e o resultado continua sendo positivo, não abandono eles no banquinho, ficam onde posso ver, e como são de 3 e 4 anos, ficam apenas 5 minutos, e eu ali, conversando e orientado a obedecerem, e sobre o acontecido…eu sou a favor, não sou a favor de espancamentos, palavrões, e outros…

  2. Fernanda Costa

    Paizinho! Gratidão pelo texto, pelas informações e pelo ser humano lindo que você é! Ler textos como esse me inspira a ser uma mãe melhor. Buscamos formas de educar nossos filhos com a melhor das intenções e acabamos fazendo escolhas erradas. Mas agradeço o texto pois sei que Melissa 5 anos e Maitê 2 anos terão a oportunidade de ter uma mãe mais bem orientada e assim um melhor desenvolvimento. Com certeza depois desse texto serei uma mãe melhor. Gratidão!

  3. TATIANA BAGDONAS ROSA

    Olá Thiago,
    Sou Tatiana mãe do Eduardo de 13 anos. A adolescencia está batendo à porta e está cada dia mais difícil.
    Venho buscando conteúdo seguro sobre com enfrentar esse momento tão complexo pra mim, pro Edu e pro meu marido e venho dando murro em ponta de facas, ja que, o behaviorismo parece ser a unica forma de educação nesse mundão velho sem porteiras.
    Seria possível você me indicar uma bibliografia segura sobre o tema?

    1. Thiago Queiroz

      Oi Tatiana, tudo bem?

      Fase desafiadora para todos, né? Que bom que você está buscando outras abordagens! Infelizmente, o único livro que eu recomendo 100% para o seu caso ainda está em inglês, que é o Positive Discipline for Teenagers, da Jane Nelsen. Mas em português tem o ótimo Cérebro Adolescente de Daniel Siegel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a Newsletter!

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app