Como a Sociedade Vê Famílias com Mais de Um Filho

"Um texto que reflete sobre as razões da sociedade tratar familias numerosas como famílias "doidas" ou "corajosas". Como mudar essa percepção equivocada?"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

“Nossa, vocês são doidos”

“Caramba, que coragem”

Essas são algumas das frases que eu e a Anne mais ouvimos desde que ela engravidou da Maya. A gente já ouviu tanto que já começou a incomodar.

Antes de mais nada, eu gostaria de dizer que até entendo o que pode levar as pessoas a dizerem isso para nós. Entendo mesmo. Afinal, é cada vez mais raro ver famílias numerosas por aí e a maioria das pessoas olham para filhos como fontes de duas coisas: gastos e trabalho. Assim, sempre que essas pessoas se deparam com uma família com dois, três, quatro filhos, elas se chocam e projetam, nessas famílias, seus próprios medos, receios e frustrações a partir de suas próprias percepções sobre o que é ter filhos.

Contudo, por mais que eu entenda de onde vem esse pensamento, eu sinto uma necessidade muito grande de falar sobre isso aqui, porque parte dessas falas revelam uma visão que me incomoda sobre filhos. Meus filhos.

Dizer que alguém que tem muitos filhos é “doido” ou “corajoso” parte do pressuposto que filhos são meros fardos e ninguém jamais, em sã consciência, deveria ter o segundo filho. Ou o terceiro. Ou o quarto. E, bem, essa decisão cabe única e exclusivamente à família. Isso, claro, quando aumentar a família é algo planejado, porque algumas vezes pode não ser também e, mesmo assim, não cabe julgamento algum.

Independente da motivação para essa família aumentar, não ajuda em absolutamente nada você questionar a sanidade ou poder de decisão daquela família. Sério, não ajuda e nem é engraçado. Tente imaginar que, se esses pais já estiverem em um dia ruim, exaustos, sem dormir, ou algo do gênero, você realmente imagina que ouvir um “vocês são doidos” vai ajudar em alguma coisa? Não vai.

Eu não quero parecer demasiadamente otimista, e tenho plena consciência de quão trabalhoso é manter uma família numerosa. Imagino, inclusive, como deve ser ainda mais difícil para as mães, considerando que a maioria das mães contam com pouca ou nenhuma participação do pai na criação dos seus filhos.

Eu sei também como, às vezes, é desesperador e exaustivo ter muitos filhos. Eu sei mesmo, e você não precisa me lembrar disso todas as vezes que me encontra, porque eu vivo isso. Vivo com a minha família.

Por outro lado, se apenas o trabalho fosse parâmetro para mim, talvez eu nem tivesse o primeiro filho. Talvez eu nem saísse da cama. Entende? É mais do que o tamanho do custo ou trabalho de ter filhos.

Então, você pode ficar tranquilo que, na mesma intensidade que é cansativo, é também maravilhoso e gratificante ter os filhos que eu tenho. E que, hoje, eu já não consigo imaginar a minha vida sem ter cada um dos filhos que eu tenho — rá, toma essa, Thiago de alguns anos atrás!

Por isso, sempre que você vir uma família, digamos, numerosa, ao invés de falar “que coragem”, “que malucos”, ou “que inconsequentes”, você pode tentar trocar por um simples:

— Que família linda!


PS: A foto dessa família numerosa foi tirada pela querida @clickcarolina.

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou pai do Dante, Gael e Maya, e crio conteúdos para ajudar famílias a criarem seus filhos com afeto, empatia e sem violência. Sou líder certificado de grupo de apoio pela Attachment Parenting International, e também educador parental certificado pela Positive Discipline Association.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Veja esses conteúdos também!

De Pai Para Pai: Contato Afetivo

Promover um contato afetivo, dentro da Criação com Apego, é bem positivo para o pai e o bebê, além de ser algo que o pai pode fazer (e se...

Paternidade, Sensibilidade e Identidade

Uma roda de conversas sobre paternidade que acaba abordando assuntos como vínculo, aceitação e identidade. O exercício da paternidade é algo que ultrapassa o rótulo de "ajudante" e deve...

Comentários

19 comentários em “Como a Sociedade Vê Famílias com Mais de Um Filho”

  1. Também tenho três filhos! 1° filho um menino, 2° uma menina, quando engravidei pela 3° vez as pessoas não se confirmaram pelo motivo de já ter um casal. Hj tenho 2 meninos e 1 menina, sinto que nasci pra maternar, tem dias difíceis mas nenhum trabalho é tão prazeroso quanto ser mãe. Ah já ouvi comentários absurdos, inclusive de médico como: “agora chega né, três já está bom”. Sempre finjo não entender kkkkk

  2. Giselle Lima

    Nossa esse texto disse tudo! Tenho três filhos, um menino de 10, uma menina de 4 e um menino de 3. Quando saio com os três na rua percebo as pessoas nos olhando como se fossemos de outro planeta, sem contar um ou outro sem noção que faz questão de perguntar isso tudo é seu?. Ou então :Nossa que um monte de menino, você é animada, fechou a fábrica né?, como você dá conta?. Muito simples, dou conta por quê cuido deles e não da vida dos outros!!!!

  3. Priscilla Campos

    Devo confessar que sendo mãe de quatro meninas as vezes me sinto uma alienígena, são tantos olhares e comentários que incomoda. Além de alguns que são feitos na frente delas tipo que pena nenhum menino ou quando elas começarem a namorar vc vai sofrer… chega ser ridículo. Amo minha família e ñ imagino ter menos filhos ou trocar alguma filha por um menino. Bjus Priscilla #Mãede4

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a Newsletter!

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app