Vírus Corona: Como Falar Com os Seus Filhos

"Dicas práticas sobre como falar com os nossos filhos (e crianças em geral) sobre o vírus corona. Devemos falar sobre fatos, sintomas e prevenção com eles!"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

O vírus corona chegou ao Brasil, e não sabemos ainda como será ao longo dos próximos dias, semanas e meses. De toda forma, esse texto não é para falar sobre o vírus em si, mas sobre como conversar sobre isso com os nossos filhos.

Independente de como as coisas se desdobrarão, é importante termos sempre em mente que os nossos filhos e as crianças, de uma forma geral, são muito vulneráveis e as coisas podem ficar rapidamente assustadoras demais para eles, então temos um papel importante de nos mantermos informados e manter os nossos seguros, na medida do possível.

Eu entendo que todos nós temos medo, e que pode ser muito tentador falar “isso não é coisa de criança”, quando nossos filhos nos perguntarem sobre o corona, mas acredite: a nossa melhor arma é a informação. Por isso, estou dando algumas dicas sobre como abordar esse assunto com eles. Apenas tenha em mente que você pode precisar adaptar a forma de falar, dependendo da idade da criança.

Pergunte o que ele sabem

O Dante, meu filho mais velho, veio me perguntar há alguns dias sobre o vírus. Passado meu espanto inicial, perguntei a ele de onde ele tinha ouvido falar sobre o corona vírus. Ele disse que ouviu de um amigo na escola, e isso é realmente de se esperar. Os nossos filhos podem saber disso pela escola, TV, amigos ou até espiando nossas conversas de adulto.

A dica aqui é manter a calma, faça perguntas para entender o que e onde ela ouviu. Isso fará com que você saiba o que responder de uma forma mais eficiente.

— Hmmm, filho, onde você ouviu falar sobre isso?

— E o que você ouviu?

— Sei, você ouviu isso, e está se sentindo como? O que você acha disso tudo?

Acolha quaisquer medos

As crianças são muito sensíveis quando o ar está tenso ou carregado de medo, então é de se esperar que eles fiquem com medo também, ainda mais sendo uma “ameaça invisível”. A chave aqui é acolher esse medo e lembrar que, muito frequentemente, nossos filhos têm muito medo de que seus pais morram. Eles temem ficar sozinhos e, se o seu filho ainda não disse isso para você, pode apostar que, em algum momento, ele dirá.

— Eu aposto que você está com medo disso tudo, né, filho?

— Você tem medo que o papai morra? Eu entendo, eu também ficaria com muito medo!

Seja a segurança deles

Nós precisamos ajudá-los a se sentir seguros novamente, e a melhor forma de fazer isso é compartilhando informações corretas sobre o vírus corona, sempre reassegurando de que eles estão bem.

— Olha, você pode ficar calmo, há muitos cientistas super inteligentes no mundo inteiro que estão trabalhando para resolver isso.

— Você está seguro.

— Essa é uma doença que afeta muito pouco as crianças, apenas pessoas mais velhas e que já estejam doentes.

— Sim, algumas pessoas estão morrendo, mas elas estavam muito doentes já. É muito triste, mas essa doença não mata tantas pessoas assim.

Essa última fala foi especialmente importante para mim, porque o Dante veio me falar que o amigo dele disse que todo mundo ia morrer. Nesses casos, é importante lembrar que a taxa de mortalidade do vírus corona é baixíssimo (atualmente, em torno de 2%).

Reforce os cuidados com a higiene

Uma vez que já fizemos o acolhimento e asseguramos os nossos filhos de que estamos bem,  é importante ressaltar qual é o nosso papel nesse momento:

— Um dos maiores trabalhos do mundo todo é impedir que essa doença se espalhe muito, e você pode ajudar com isso!

— Sempre lave as suas mãos com bastante água e sabão, esfregue cada pedacinho da mão. Atrás dos dedos, na unha, ou em qualquer lugarzinho que poderia ser um esconderijo para o vírus!

— Se você tossir ou espirrar, sempre faça isso nos seus cotovelos (talvez você tenha que mostrar como se faz).

— Não encoste as mãos na boca ou olhos, ainda mais se você não lavou as suas mãos.

— Nada de emprestar ou pegar emprestado copos, talheres, lenços e canudos de outras pessoas!

E lembre-se: são crianças. É claro que elas não vão se lembrar de fazer tudo isso e sempre, então precisarão de lembretes gentis da nossa parte.

Combata o preconceito

Aproveite para conversar com os seus filhos que a doença é causada por um vírus, e não por pessoas. Não podemos tratar mal pessoas por causa do medo, independente de que país elas vivam. Preconceito também é uma doença da nossa sociedade!

 

Espero que esse guia seja útil para você! Mas se você tiver alguma dica, é só colocar nos comentários que vamos compartilhando o conhecimento.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Veja esses textos também!

E se cárie fosse letal…

É preciso entender a cárie como uma doença! Só assim, conseguiremos entender suas causas, sintomas e tratamento para, enfim erradicarmos essa doença.

Comentários

  • Israel Lins disse:

    “(…) a doença é causada por um vírus, e não por pessoas. Não podemos tratar mal pessoas por causa do medo” Vou até anotar essa. Uma baita lição para se passar adiante para as próximas gerações.
    Obrigado pelo texto.

  • Thiago Queiroz

    Thiago Queiroz

    Sou Thiago, marido e pai. Também sou outras coisas, mas praticante mesmo, só marido e pai. Meus filhos, Dante, Gael e Maya, nasceram em casa e, desde o nascimento do Dante, mergulhamos no ativismo pelo parto e pela criação com apego. Hoje, sou líder do grupo de apoio para criação com apego: API Rio, e também educador parental certificado para disciplina positiva.
    >

    Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

    É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app