fbpx

5 estratégias que todo pai/mãe precisam conhecer

"Pequenas mudanças de atitude que podemos usar no dia a dia para não surtar. "
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Sabemos o quanto a rotina com as crianças somadas com as demandas da vida fazem com que alguns momentos sejam enlouquecedores.

Por isso é tão importante buscarmos estratégias para tornar o dia a dia com nossos filhos mais leves.

Para ajudar, trouxe algumas ferramentas da disciplina positiva que me ajudam com as crianças e que podem ser usadas até por quem não tem intimidade com o tema.

1. Antecipação

Aquela ferramenta que ajuda muito a evitar as tretas clássicas de ir embora do parquinho ou finalizar o tempo de tela, por exemplo.

É basicamente antecipar para preparar a criança para o fim da atividade.

Quando estiver se aproximando a hora de ir embora, avise que está acabando e adeque o controle do tempo de forma que ela consiga entender e acompanhar.

Pode ser avisar em 5, 3 e 1 minuto, contar até 10 ou 20 pausadamente, pode ser um aplicativo com cronômetro ou outra forma que a criança consiga se preparar para se despedir da brincadeira e ir embora.

2. Pausa positiva

Uma ferramenta serve tanto para a criança como para os cuidadores.

Sabe aqueles momentos em que estamos muito perto de perder o controle? É nesse momento que entra a pausa positiva, que nada mais é do que se afastar para se regular emocionalmente.

Se não tiver um perigo iminente para a criança, o ideal é sairmos de perto para lavar o rosto, beber água ou só respirar.

No caso das crianças, vale tentar tira-las do ambiente e levar para um lugar mais calmo, distrair com alguma outra atividade ou acolher e dar ferramentas para que ela se acalme.

3. Combinados

Os combinados são acordos em família que todos devem cumprir.

Pode ser usado tanto nas questões do dia dia quanto em situações mais desafiadoras como idas ao mercado ou passeios.

É legal dar previsibilidade. Avisar como vai ser, o que vão fazer juntos, o tempo que vão ficar lá, se pode e o que pode brincar, e estabelecer os combinados.

Ah, e é combinado entre todos. Não são os pais que decidem as regras e combinam com a criança de obedecer.

A criança tem que ser ouvida. Ela tem o direito de opinar, para juntos chegarem a uma alternativa que seja legal para todos.

4. Escolhas limitadas

É fato que as crianças são muito mais cooperativas quando elas podem opinar e participar das escolhas. Em algumas situações, elas não podem decidir se vão fazer ou não, mas podemos dar a opção delas escolherem como vão fazer.

Exemplos:

“Filha, você prefere tomar banho antes ou depois do jantar?”

“Vai tomar o remédio na seringa ou no copo?”

“Quer usar o casaco vermelho ou amarelo

5. Foco na solução

Nossa sociedade ainda acredita que as crianças só aprendem se forem punidas. Fazer a criança se sentir mal por um erro não só não evita que ela repita o erro, como não resolve o problema em si.

Focar na solução, no lugar de punir, estimula a criança a buscar soluções para o erro e a ficar mais atenta para que ele não aconteça novamente.

No lugar do sermão ou castigo, convide a criança a propor soluções e resolver o problema

Exemplos:

“Só podemos pintar no papel. Como vamos fazer para tirar a tinta da parede?”

“Os brinquedos estão espalhados, o que precisamos fazer?”

Deixando claro que não existe fórmula mágica. Temos que ser coerentes e consistentes nas nossas atitudes. As crianças aprendem através do exemplo.

Mais do que como se comportar, também é nosso papel ensinar sobre as emoções, como lidar com os erros, a buscar soluções e sobre responsabilidade. Não é fácil, mas é possível através do diálogo, respeito e conexão.

Vamos juntos nessa.

Com carinho,

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Pais Maternos? | Paizinho, Vírgula!

Pais maternos existem ou só são pais exercendo o seu papel? É tentador criar novas denominações para os pais que exercem a sua paternidade ativamente mas será que não estamos criando uma distorção de papéis? Falamos sobre isso e também sobre os possíveis impactos na relação entre o casal. 5 Dicas para o Home office

Leia mais »

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!