fbpx

Existe um caminho entre a nossa intenção e o que ensinamos de fato.

"Eu vejo sempre um foco em deixar a criança se frustrar, mas negamos a elas a possibilidade de negociar, de buscar soluções, de se sentirem capazes de resolver.  "

 

Crianças aprendem a tomar boas decisões, tomando decisões. Não seguindo instruções.
Alfie Khon

Essa frase do Alfie Khon, autor e palestrante americano, especialista em educação e comportamento humano, ilustra bem o quanto precisamos nos atentar que as vezes nossas atitudes não estão alinhadas com as habilidades que desejamos que nossos filhos desenvolvam.

Existe um caminho entre a nossa intenção e o que ensinamos de fato. Como podemos ensiná-las sobre resolução de problemas, se estamos sempre propondo a solução? Como elas aprenderam a gerir conflitos, se estamos sempre mediando as relações? Como ensinar sobre comprometimento e resiliência, se não damos a elas espaço para fracassar e persistir? 

Eu vejo sempre um foco em deixar a criança se frustrar, mas negamos a elas a possibilidade de negociar, de buscar soluções, de se sentirem capazes de resolver. 

Então convido vocês a esse exercício: estimular a sua criança a participar das decisões e escolhas da família. Dar espaço para que ela apresente o seu ponto de vista, construa a sua opinião sobre o tema e se sinta ouvida. É uma grande oportunidade de aprender a ponderar, avaliar prós e contras e desenvolver outras tantas habilidades que serão fundamentais na vida adulta. 

As crianças precisam de um espaço seguro onde caiba a ponderação, experimentação, confiança e o erro. A infância é o momento ideal para isso, portanto elas precisam de adultos que confiem na sua capacidade e que estejam disponíveis para proporcionar um ambiente onde ela possa se aventurar e tentar novas possibilidades.

E como fazer isso na prática?

Diante das situações cotidianas, faça mais perguntas, deixe que ela encontre as respostas, que ela avalie o cenário, pondere sobre as possibilidades e tome a sua decisão. E tudo bem se errar. Reflita com ela sobre novos pontos de vista, observações que ela deixou se fazer e esteja disponível para que ela tenha segurança para se arriscar.

É preciso refletir que habilidades consideramos importantes e o caminho para que nossos filhos consigam desenvolvê-las.

Você tem construído esse caminho?

Com carinho,

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Quem realmente importa?

A forma como as pessoas reagem à birra dos nossos filhos, tem muito mais a ver com a história e infância delas, do que sobre o comportamento das crianças.

Leia mais »

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!