fbpx

Gritar Com Crianças Pode Ser Tão Prejudicial Quanto Disciplina Física

"Estudo mostra que o uso da disciplina verbal dura poderia ser tão prejudicial quanto a disciplina física. Gritos, xingamentos e humilhação podem ter efeito negativo no comportamento dos adolescentes."

(traduzido e adaptado por Thiago Queiroz, da versão inglesa, link original)

 

Mandy Velez – Paus e pedras de fato quebram ossos – mas palavras também podem causar dano real às crianças, diz um novo estudo. E os bullies no pátio da escola não são os únicos culpados.

A “disciplina verbal dura” por parte dos pais aumenta os riscos do filho desenvolver comportamentos depressivos e agressivos, e isso “não é incomum,” de acordo com a pesquisa, que foi publicada no início da semana em Child Development. As técnicas de disciplina em questão incluem gritos, xingamentos e humilhação – definidos como “chamar o filho de burro, preguiçoso, ou algo semelhante.” O estudo sugere ainda que as repreensões verbais podem ter o mesmo impacto em crianças que a punição física: “os efeito negativos da disciplina verbal dentro do período de estudo de dois anos foram comparáveis aos efeitos mostrados no mesmo período de tempo em outros estudos que focaram em disciplina física,” como explica o press release da Universidade de Pittsburgh, onde o autor líder do estudo é professor assistente.

O estudo seguiu 976 adolescentes de 13 e 14 anos da Pensilvânia e seus pais durante os 8º e 9º anos do ensino fundamental, e descobriu que a depressão ou comportamento ruim aumentava em filhos que foram expostos à disciplina verbal dura. Ao invés de servir para remediar o problema, as táticas de disciplina verbal pareceram provocar um comportamento indesejado.

“A adolescência é um período muito sensível quando [crianças] estão tentando desenvolver suas identidades,” disse o líder do estudo Ming-Te Wang para o Wall Street Journal. “Quando você grita, fere sua autoimagem. Faz com que eles se sintam incapazes, que eles são inúteis e sem valor.”

Wang acrescentou ao NPR que o estudo foi um “um lembrete [aos pais] de que precisamos permanecer calmos,” prosseguindo para recomendar uma “intervenção de duas vias para pais e filhos.”

Neil Bernstein, autor de How to Keep Your Teenager Out of Trouble and What to Do if You Can’t (Como Manter Seu Adolescente Fora de Problemas e o Que Fazer Se Você Não Conseguir), concordou com as implicações do estudo, conforme ele disse à USA TODAY, argumentando: “Os extremos da criação não funcionam. Os pais que humilham não são mais eficazes que os pais que ‘deixam rolar’, que são completamente tranquilos e não estabelecem qualquer limite no comportamento de seus filhos.”

Os autores do estudo exploraram mais que os efeitos da rigidez por si só; eles também mediram se o “calor parental”, ou os graus de amor, suporte emocional e afeto entre pais e adolescentes, neutralizariam os efeitos da disciplina verbal – e concluíram que não.

“Mesmo que apenas ocasionalmente, por lapsos, o uso da disciplina verbal dura pode ainda ser prejudicial,” disse Wang no press release. “Mesmo que você seja solidário com o seu filho, se você perder as estribeiras, ainda é ruim.”

“A disciplina verbal dura merece maior atenção tanto na pesquisa, como na prática,” concluem os pesquisadores na discussão do estudo. “A maioria das pesquisas conduzidas sobre disciplina dura focaram na disciplina física na infância. No entanto, considerando que os pais tendem a recorrer à disciplina verbal ao longo que seus filhos amadurecem (Sheehan & Watson, 2008), é importante que pesquisadores e pais estejam conscientes de que a disciplina verbal não é eficaz em reduzir problemas de conduta e, na verdade, leva a maiores sintomas de problemas de conduta e depressão na adolescência.”

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Quem realmente importa?

A forma como as pessoas reagem à birra dos nossos filhos, tem muito mais a ver com a história e infância delas, do que sobre o comportamento das crianças.

Leia mais »

Comentários

6 comentários em “Gritar Com Crianças Pode Ser Tão Prejudicial Quanto Disciplina Física”

  1. Acho que entre chamar o filho de “burro” e “preguiçoso” há um abismo gritante em e peso e propósito. Não estou a favor de humilhar jamais a um filho, alheio ou não, mas indicar corretamente com a palavra ideal, tom e respeito. Obrigado mais uma vez, Thiago!

    1. Sem dúvida. A reflexão é justamente para pensarmos em como nos comunicamos com os nossos filhos. Eu mesmo, cresci sob a influência de palavras muitos duras por parte do meu pai, mais até que “burro” e “preguiçoso”, e durante muito tempo, isso afetou negativamente a minha estima. Hoje, sei quão prejudicial isso é, e não pretendo repassar isso para o meu filho.

      1. Hmmm… E acabou a publicar artigos que muita gente lê e respeita. Afinal não prejudica tanto como se possa pensar. ; )

      1. O simples fato de “chamar” o filho de nomes, ou dar apelidos, é extremamente prejudicial. Acho que “Em Nome dos Pais de Múltiplos” quis dizer é que devemos orientar e mostrar aos nossos filhos o caminho correto, usando palavras de respeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!