fbpx

Leite Materno Pode Ser a Chave Para Proteger Bebês do HIV

"Uma substância no leite materno que neutraliza o HIV e pode proteger bebês de contraírem HIV de suas mães infectadas foi identificada pela primeira vez por pesquisadores da Duke Medicine."

(traduzido e adaptado por Thiago Queiroz, da versão inglesa, link original)

Uma substância no leite materno que neutraliza o HIV e pode proteger bebês de contraírem HIV de suas mães infectadas foi identificada pela primeira vez por pesquisadores da Duke Medicine.

A proteína, chamada de Tenascin-C ou TNC, foi reconhecida anteriormente por desempenhar um papel na cicatrização de feridas, mas não era conhecida por ter propriedades antimicrobianas. A descoberta poderia levar a potenciais novas estratégias para a prevenção contra o HIV.

Relatando no jornal Proceedings of the National Academy of Sciences, durante a semana de 21/10/2013, os pesquisadores descrevem como a proteína TNC no leite materno se conecta e neutraliza o vírus HIV, potencialmente protegendo bebês expostos que poderiam se infectar através de exposições frequentes ao vírus.

“Mesmo que tenhamos medicamentos antirretrovirais que podem trabalhar para prevenir a transmissão de mãe para bebê, nem toda a mulher está sendo testada para o HIV, e menos de 60% está recebendo os remédios de prevenção, especialmente em países com poucos recursos,” disse o autor sênior Sallie Permar, M.D., Ph.D., professor assistente de pediatria, imunologia, genética molecular e microbiologia em Duke. “Então ainda há uma necessidade para estratégias alternativas para prevenir a transmissão de mãe para bebe, razão pela qual este trabalho é importante.”

Em 2011, no mundo inteiro, uma estimativa de 330.000 crianças contraíram o HIV de suas mães durante a gravidez ou parto, ou através da amamentação, de acordo com a UNICEF. Como as organizações mundiais de saúde estabeleceram a meta de eliminar as infecções de mãe para bebê, pesquisadores trabalharam para desenvolver alternativas seguras e acessíveis à terapia antirretroviral que podem ser usadas para bloquear a transmissão de HIV para bebês.

Permar e seus colegas focaram no leite materno, que desde sempre foi reconhecido por ter qualidades protetivas que inibem a transmissão de mãe para bebê apesar de múltiplas exposições diárias ao longo dos meses e mesmo anos de amamentação. Estudos anteriores identificaram algumas propriedades antivirais no leite materno, mas a maioria das atividades de neutralização de HIV de leite materno continuaram sem explicação. Mais estudos recentes apontaram para uma grande proteína que ainda deveria ser identificada.

Em seu estudo, a equipe de Duke observou amostras de leite maduro de mulheres não infectadas para uma atividade neutralizante contra um painel de famílias de HIV, confirmando que toda a atividade de neutralização de HIV detectável estava contida na porção de grande peso molecular. Usando um processo de separação da proteína de vários passos, os pesquisadores reduziram a atividade para uma única proteína, e identificaram-na como TNC.

“TNC é um componente da matriz extracelular que é parte integrante de como os tecidos se mantém unidos,” disse Permar, notando que o coautor Harold Erickson, Ph.D., professor de biologia celular em Duke, foi um dos primeiros a identificar e descrever a TNC nos anos 80. “Esta é uma proteína envolvida na cicatrização de feridas, participando no reparo dos tecidos. É também conhecida por ser importante no desenvolvimento fetal, mas a sua razão por ser um componente do leite materno ou suas propriedades antivirais nunca foram descritas.”

Uma análise aprofundada mostrou como a TNC trabalha contra o HIV bloqueando a entrada do vírus. A proteína é unicamente efetiva em capturar as partículas e neutralizar o vírus, especificamente, se unindo ao envelope do HIV. Estas propriedades proporcionam uma vasta proteção contra a infecção.

“É provável que a TNC esteja atuando em conjunto com outros fatores anti-HIV no leite materno, e que pesquisas futuras devam explorar isso,” disse Permar. “Mas dadas as atividades neutralizantes e agregantes da TNC, poderia ser desenvolvida como uma terapia de prevenção contra o HIV, dada via oral a bebês, antes mesmo da amamentação, de maneira similar à maneira que sais de reidratação orais são administrados rotineiramente em bebês em regiões em desenvolvimento.”

Permar disse que a TNC também pareceria ser inerentemente segura, já que é um componente naturalmente encontrado no leite materno, e pode evitar o problema da resistência do HIV a regimes antirretrovirais que dificultam as aplicações mãe/bebê.

“A descoberta do efeito inibidor do HIV desta proteína comum no leite materno provê uma explicação potencial do por que bebês amamentados que nasceram de mães infectadas com o HIV não se infectam mais frequentemente do que elas,” disse Barton F. Haynes, M.D., diretor do the Duke Human Vaccine Institute. “Também dá suporte ao fato de que os fatores de inibição no leite materno podem ser ainda mais protetores, como os anticorpos, que poderiam proteger bebês completamente da infecção com HIV nesta configuração.”

 

Referência

Genevieve G. Fouda, Frederick H. Jaeger, Joshua D. Amos, Carrie Ho, Erika L. Kunz, Kara Anasti, Lisa W. Stamper, Brooke E. Liebl, Kimberly H. Barbas, Tomoo Ohashi, Martin Arthur Moseley, Hua-Xin Liao, Harold P. Erickson, S. Munir Alam, and Sallie R. Permar. Tenascin-C is an innate broad-spectrum, HIV-1–neutralizing protein in breast milk. PNAS, October 2013

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Quem realmente importa?

A forma como as pessoas reagem à birra dos nossos filhos, tem muito mais a ver com a história e infância delas, do que sobre o comportamento das crianças.

Leia mais »

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!