fbpx

Mudança de Prioridades

"Ter filhos é algo engraçado em muitos aspectos, e um desses aspectos acontece durante a gravidez. Quando você está grávido com a sua esposa, você começa a perceber e conversar sobre filhos, com outras pessoas. É como se você quisesse dar uma espiada por trás das cortinas, antes do show começar. "

Vamos falar um pouco sobre prioridades? Na verdade, sobre como mudamos as prioridades. É sobre isso que escrevo para Os Mamíferos, no Vila Mamífera, nesta semana. Você pode encontrar o texto aqui também.

Mudança de Prioridades

Ter filhos é algo engraçado em muitos aspectos, e um desses aspectos acontece durante a gravidez. Quando você está grávido com a sua esposa, você começa a perceber e conversar sobre filhos, com outras pessoas. É como se você quisesse dar uma espiada por trás das cortinas, antes do show começar. Você quer saber como é, se dá trabalho, se o seu cabelo cai, se você fica maluco, se você ri ou se você chora, mas de uma maneira geral, a resposta sempre recai nessa frase famosa:

– Cara, você não tem ideia. Muda tudo.

Você, que ainda não tem a mínima ideia da dimensão do que lhe aguarda assim que o seu lindo bebê nasce (ah, sim, eu não acho bebês feios, mesmo os que têm cara de joelho são lindos, na minha opinião), muitas vezes pode pensar que é exagero e que não deve ser assim, afinal, é apenas um bebê. Bom, deixa eu dizer algo para você, leia atentamente:

Cara, você não tem ideia. Muda tudo.

Eu acho que foi isso que faltou para mim. Alguém dizer que realmente muda tudo, e não necessariamente para pior. Nesse caso, muda para melhor, mas não é bem como se você sentisse o processo de mudança. É mais como se você acordasse um belo dia, com bebê e esposa ao seu lado na cama e pensasse:

– Cara, mudou tudo! Que maneiro!

Pode acreditar (e tenho certeza que muita gente concorda comigo), é uma das mudanças mais bruscas e fantásticas que acontecem na sua vida. O que me traz ao assunto principal deste post: prioridades. Ter um filho faz você rever suas prioridades, não importa a configuração que você tem na sua família, vai mudar tudo. No meu caso, em particular, eu trabalho fora num emprego burocrático, como a minha esposa costuma dizer: de segunda a sexta, das 8:00 às 17:00, sentado numa cadeira de frente para um computador. Com muita sorte, conseguimos nos adaptar de forma que, pelo menos durante o primeiro ano de vida do Dante, a Anne conseguisse ficar em casa, dedicada à criação dele.

Como eu já falei anteriormente (veja Das Coisas Que Caras Curtem), minhas prioridades pessoais já mudaram logo de cara: desde que ele nasceu, joguei video-game poucas vezes, joguei basquete uma vez só e academia só algumas vezes (vide a pancinha charmosa que venho cultivando). Essas alterações de prioridade não fazem a minha vida ser miserável, ao contrário, fazem com que eu seja um pai feliz que acompanha o crescimento e os avanços que o seu filho tem, talvez não com a mesma proximidade que a mãe, mas com o máximo de proximidade que se pode oferecer. Lembro de uma época em que ele estava ameaçando começar a sentar e eu  sempre torcia para que ele conseguisse sentar pela primeira vez no turno da noite. Ok, não deu muito certo… Esses bebês e suas vontades próprias, humph.

De qualquer forma, não são apenas essas as prioridades que mudam, e é sobre isso que eu gostaria de falar um pouco. Como eu trabalho fora, tenho o que pode se chamar de carreira profissional, com suas respectivas prioridades profissionais. Em resumo, trabalha-se muito mais do que o horário normal para que você consiga resolver problemas e ser notado. Mas agora, além de marido amoroso e funcionário escravo, também sou pai babão, e isso trouxe uma grande mudança de prioridades para mim.

Pense comigo: oito horas de trabalho, seis horas de sono, mais o tempo que você consome no translado casa-trabalho, mais o fato de que quando eu acordo, todos estão dormindo; levando tudo isso em conta, eu teria, no máximo, e com muita boa vontade, umas cinco hora úteis do seu dia para curtir a sua família. Ou seja, uns 20% do seu dia são dedicados a ser feliz com a sua família. Ainda bem que nós temos uma cama de família, então as horas de sono também contam como horas felizes!

Ou seja, eu já largo mão de jogar video-game para curtir minha família, e não vou largar mão de trabalhar feito um cão? A resposta é óbvia, né? Já ouvi alguns tristes casos de profissionais muitíssimo bem sucedidos que simplesmente não viram seus filhos crescerem, porque estavam muito ocupados crescendo profissionalmente. Mas o que você prefere ver crescendo? O seu salário, ou o seu filho? É muito triste que as coisas são estruturadas culturalmente desta forma, mas a minha escolha foi muito fácil de fazer. Existem até estudos sobre como os pais que tomam estas posturas são tratados no ambiente de trabalho, que você pode ver aqui.

Essa mudança de prioridades também veio sem que eu percebesse o processo de alteração. De repente, percebi que não ligava mais para isso, e só queria mesmo era correr de volta para casa e ficar com a minha família. É claro que isso me rendeu algumas horas negativas no meu banco de horas, alguns olhares tortos de chefes, e muito provavelmente alguma estagnação na carreira mas, de verdade, quem se importa? O que eu estou abrindo mão agora me traz muitos benefícios em estar junto da minha família, curtindo o crescimento do meu bebê, sem contar dos inúmeros benefícios que eu ainda nem sei classificar quando meu filho crescer e nós tivermos um ótimo vínculo amoroso e duradouro, sem contar que ele sempre poderá contar com o pai-melhor-amigo-companheiro-de-aventuras por perto.

Eu já precisei ficar até tarde em alguns poucos dias desde que ele nasceu e acredite, chegar em casa quando seu filho está dormindo para sair de casa antes de ele acordar não é uma coisa bacana. E você? Vamos deixar um pouco as coisas de lado e focar no que importa de verdade?

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Quem realmente importa?

A forma como as pessoas reagem à birra dos nossos filhos, tem muito mais a ver com a história e infância delas, do que sobre o comportamento das crianças.

Leia mais »

Comentários

14 comentários em “Mudança de Prioridades”

  1. Fala Thiago, tudo bem?
    cara, fantástico esse texto, reflete muito o q ando passando atualmente…..trabalho de segunda a sexta das 9 as 19h….e com uma certa frequência (isso vem aumentando…) faço a famosa hora extra (não remunerada)….
    chegar em casa com as crianças dormindo não é nada legal…muito pelo contrário, dá aquela sensação de ter perdido alguma coisa, alguma descoberta nova…..
    mas aos poucos eu e minha mulher vamos nos adaptando e tentando reverter esse quadro….
    Parabéns pelo seu trabalho!!
    Abraço

    Carlos

  2. Oi Thiago! super me identifiquei com seu texto! Nossa muito real e atual! Na maioria dos dias saio de casa antes da minha filha acordar, é muito duro, já tem mais de um ano que voltei a trabalhar e ainda é muito difícil, as vezes caem algumas lágrimas teimosas dos meus olhos quando entro no elevador, mas as seco, limpo o rosto rapidamente e ganho a rua em direção ao metro, e no caminho vou me convencendo de que é um mal necessário! Apesar de gostar muito da minha profissão, é muito difícil ficar tanto tempo longe da minha menina!
    Meu momento mais feliz do dia é quando vou busca-la na escolinha e ela me recebe com o sorriso mais lindo e sincero do planeta, ela vem correndo toda faceira e nos abraçamos bem forte e ai tudo fica mais alegre e colorido, o mundo fica muito mais intenso e belo, os problemas do trabalho simplesmente desaparecem da minha mente como magica! O tempo que ficamos juntas é tão precioso, ela ainda mama no peito (e se alguém falar que ela já esta grande para isso, faço cara de paisagem) ela chega a revirar os olhos de alegria quando chega esse nosso momento, eu nem ligo mais a televisão em casa, brincamos muito juntas, meu tempo em casa é todo dela e do meu marido!

    Realmente as prioridades mudam, também não encontro mais tempo para praticar corrida, pilates só ná hora do almoço 1x na semana e porque realmente preciso, mas mesmo na correria é uma alegria incrível acompanhar o desenvolvimento dela a cada dia. Ter que abrir mão de algumas coisas não me causa nenhuma tristeza ou ressentimento, porque esse tempo que dedico a ela é genuinamente um desejo sincero do meu coração

    Por aqui também dormimos todos juntinhos na nossa cama gigante que também cabe o papai, e você tem razão a noite também tem que entrar nessa conta de momentos felizes, sentir o corpinho dela pertinho, o bafinho delicioso da respiração tranquila, e a mãozinha procurando a mim ou o pai, isso simplesmente não tem preço!
    E aproveitando a oportunidade queria te agradecer e parabenizar pelo seu trabalho, descobri a criação com apego através de você (minha filha tinha apenas 3 meses) e esse encontro virtual simplesmente transformou minha maternidade, porque essa bandeira é muito verdadeira, está muito de acordo com meus instintos mais primitivos, esta de acordo com meu espírito, esta de acordo com que está dentro de mim, e me deu muita segurança para confiar no que eu sentia e queria para minha família em uma época que haviam muitos pitacos, aqueles famosos que você conhece bem (ela precisa dormir na cama dela! Não pode dar tanto colo! Tem que deixar chorar um pouco!). Obrigada e siga em frente, sigo por aqui acompanhado seu trabalho e indicado sempre que acho que pode ajudar outras mães e pais!

    Obs: De banco de horas, entendo bem tb! Estamos literalmente no mesmo barco! Inclusive muita vontade de dar uma de tiete nos corredores desse “barco”. Mas bate uma timidez corporativa! Hehehe

    1. Ahhh, Vivian! Muito obrigado pelo seu comentário e fico mega feliz de saber que eu “apresentei” a criação com apego para você. E olha, não fique encabulada não, pode passar e dar um oi 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!