Oferecendo aos Nossos Filhos Aquilo Que Não Tivemos

"A resiliência humana é uma das nossas características mais fascinantes, mas pouco se fala sobre a resiliência combinada com a maternidade ou paternidade."
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

A resiliência humana é uma das nossas características mais fascinantes e, por mais que muitas pessoas falem sobre isso ultimamente, pouco se fala sobre a resiliência combinada com a maternidade ou paternidade.

Por que falar disso, então? Porque eu vejo cada vez mais pessoas lamentando que não tiveram a criação que gostariam de oferecer para os seus filhos, como se isso, por si só, fosse uma profecia cravada em uma pedra. Bem, não é.

Se você não recebeu uma criação respeitosa, afetiva e empática, você não está fadado, de forma alguma, a repetir tudo isso com o seu filho. E tomar consciência disso é, talvez, um dos acontecimentos mais libertadores que um pai ou mãe pode vivenciar. É a base fundamental do entendimento de que criar um filho é, também, um processo de cura para nós mesmos.

É entender que, mesmo que não tenhamos recebido uma criação baseada no respeito mútuo, mesmo que isso não esteja dentro do nosso “código”, é perfeitamente possível escrever uma história nova — e diferente — com os nossos filhos.

Um grande amigo meu, o psicólogo — e também pai de três — Alexandre Amaral, durante uma dessas nossas conversas sobre a vida, disse para mim que nós podemos criar competências a partir de ausências. Pense sobre isso por um momento: as ausências das nossas vidas não são nossas prisões, mas justamente os espaços abertos para construirmos coisas lindas e admiráveis. Com os nossos filhos.

Compre o meu livro e ganhe uma dedicatória personalizada!


E mesmo que você esteja pensando “ah, para você é fácil dizer, sua infância deve ter sido um comercial de margarina”, lamento dizer que foi um pouco diferente disso. Quem leu meu livro, o Abrace Seu Filho, sabe como foi com um pouco mais de detalhes, mas para que esse texto não fique imenso, digamos que a minha referência de paternidade, por exemplo, foi daquela figura bem tradicional, que não fazia grandes demonstrações de carinho e afeto, afinal, eu era um menino. Não recebia o tanto de toque e diálogo que eu ofereço para os meus filhos, e é exatamente nesse ponto que eu quero chegar.

E talvez você esteja pensando agora “só falta você me dizer agora que isso é super fácil de fazer”. Infelizmente, olhando para a vida prática do dia-a-dia, precisamos entender que esse movimento não será fácil. Pelo contrário, será muito difícil e trabalhoso. Afinal, é fácil e tentador demais repetir os mesmos padrões de criação que recebemos, então fazer diferente demanda auto-controle – coisa que perdemos, de vez em quando, principalmente nos dias mais difíceis.

Então, tente sempre se lembrar que, além de humano, você também está se curando e construindo novas habilidades junto do seu filho. E que isso já é algo lindo por si só.

Se esse texto bateu fundo aí no seu coração, receba o meu abraço apertado.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou Thiago, marido e pai. Também sou outras coisas, mas praticante mesmo, só marido e pai. Meus filhos, Dante, Gael e Maya, nasceram em casa e, desde o nascimento do Dante, mergulhamos no ativismo pelo parto e pela criação com apego. Hoje, sou líder do grupo de apoio para criação com apego: API Rio, e também educador parental certificado para disciplina positiva.

Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app

X