Orientações de Segurança Para Cama Compartilhada

"Um dos maiores medos ao redor da cama compartilhada é a segurança. Muitas pessoas temem o risco da morte súbita pela prática de cama compartilhada, quando, na realidade, cosleeping pode ser até 50% mais seguro do que bebês que dormem sozinhos no berço. Estas são as recomendações de segurança da API."

Um dos maiores medos ao redor da prática da cama compartilhada é a segurança. Como eu já escrevi no texto Cama Compartilhada: Os 5 Grandes Mitos, muitas pessoas têm um grande medo do risco da síndrome da morte súbita infantil pela prática de cama compartilhada, quando, na realidade, existem muitos estudos apontando para uma redução de até 50% do risco de morte súbita quando o sono compartilhado é praticado de maneira segura, e isto inclui a cama compartilhada.

Mas o que seria cama compartilhada com segurança? Existem recomendações de segurança? Felizmente, elas existem! A API (Attachment Parenting International) reuniu suas principais orientações para a prática segura do sono compartilhado, pois a segurança física é tão importante quanto a emocional no sono de bebês.

Essas recomendações não se aplicam apenas à cama compartilhada, mas ao sono compartilhado como um todo e, inclusive, para bebês que dormem em berço. As informações ficam em um folheto da API que eu traduzi, mas para facilitar a leitura, fiz um resumo logo abaixo. E para quem quiser fazer o download do folheto traduzido para o Português, é só clicar no botão ao final deste post.

Recomendações Gerais Para Sono Compartilhado

Estas orientações de segurança se aplicam não só a quem pratica a cama compartilhada, mas também para famílias que dividem o quarto com seus bebês.

  • Coloque o seu bebê para dormir de costas, pois isto ajuda a proteger seu bebê da Síndrome de Morte Súbita Infantil.
  • Escolha um colchão firme, sem cobertores que possam cobrir a cabeça, almofadas, e bichos de pelúcia. Nunca coloque seu bebê para dormir – ou adormeça com ele – em um local ou superfície insegura, como sofá, cadeira, poltrona de amamentação, sofá-cama, cama inflável ou colchão d’água. Deste modo, você elimina os riscos do seu bebê cair do seu colo quando você adormecer ou que ele entre embaixo de uma depressão do colchão muito macio.
  • Deixe o bebê fresco, ajuste as roupas e a temperatura do quarto para evitar que o bebê superaqueça.
  • Use um ventilador no quarto onde o bebê dorme, para ajudar a circular o ar e manter o ambiente mais fresco.
  • Bebês não devem dormir sozinhos em uma cama de adulto, mesmo nas sonecas. Se você não possui um berço ou outro lugar seguro para seu bebê tirar sonecas, coloque um colchão menor no chão ou até um futon, e certifique-se que o ambiente está seguro para o bebê. O bebê conforto não deve ser usado para sonecas, nem para dormir.

Recomendações Específicas Para Cama Compartilhada

  • Amamente o seu bebê! Mães que amamentam permanecem mais tempo em estágios leves de sono, fazendo com que elas estejam mais alertas aos bebês. Elas também tendem a dormir numa posição protetora (com os joelhos dobrados para cima), e isso previne que o bebê desça e acabe ficando debaixo de um cobertor, por exemplo.
  • Ponha o bebê próximo à mãe, ao invés de deixá-lo entre o pai e a mãe. Isso evita que um pai que tenha sono muito pesado, por exemplo, não perceba o bebê ao seu lado.
  • Use grades ou protetores de cama quando colocar o bebê na cama da família. Preencha qualquer espaço entre a cama e as paredes, cabeceira e móveis com uma manta ou toalha enrolada. Se você colocar o colchão (ou futon) no chão, longe das paredes, você também evita o risco de quedas, além do risco do bebê cair em algum espaços pequenos.
  • Seja consciente sobre o arranjo de sono. Coloque o bebê próximo à mãe, em um ambiente planejado e seguro, ao invés de cair no sono por exaustão no sofá, cadeira, poltrona, ou qualquer outro lugar inseguro.
  • Apenas cuidadores primários devem dormir com um bebê, pois apenas eles poderão dormir em um estado leve de alerta, atentos aos movimentos e à presença do bebê.
  • Não deixe que babás ou irmãos mais velhos durmam próximo ao bebê, pois eles também não estarão alertas aos movimentos e à presença do bebê.

Quando Você Não Deve Fazer Cama Compartilhada

Criar filhos é algo que deve focar tanto na saúde como na segurança, e praticar cama compartilhada com um bebê é saudável e seguro na maioria dos casos, mas há situações que farão com que os pais precisem deixar o bebê dormir em outra superfície, mas ainda assim podendo ser no mesmo quarto.

Você NÃO deve fazer cama compartilhada com o seu bebê se:

Você usa álcool ou drogas

Qualquer substância que interfira no seu julgamento ou nível de consciência à noite vai interferir na sua habilidade de estar atento ao seu bebê. Estas substâncias também incluem medicamentos de farmácia, como remédios para dormir ou para resfriados. De uma maneira geral, qualquer substância que altere o seu estado de consciência é proibido para quem pratica cama compartilhada.

Você fuma

Existe um risco aumentado de SMSI (Síndrome da Morte Súbita Infantil) associado ao tabagismo e cama compartilhada. Pare de fumar, por você e pelo seu bebê!

Você é extremamente obeso

Também existe um risco aumentado de SMSI, que foi associado à obesidade parental e a prática de cama compartilhada.

Seu bebê é prematuro, tem baixo peso de nascimento, ou tem uma febre alta.

Há filhos mais velhos ou animais de estimação por perto

A cama da família não deve incluir um irmão mais velho próximo ao bebê, que não estará tão atento ao bebê na cama. Ou seja, se você tiver um filho que ainda durma na sua cama, deixe-o dormir entre o pai e a mãe, enquanto o bebê dorme entre a mãe e a parede.


Essas informações foram extraídas do folheto “Sono Infantil – Orientações de Segurança” da Attachment Parenting International. Se você desejar, pode clicar no botão abaixo para fazer o download da versão de impressão do folheto. É necessário que você imprima o folheto em frente e verso.

A UNICEF também tem suas recomendações de segurança, que são bem parecidas com as da API. Se você tiver interesse, pode acessar o folheto deles também, em Português de Portugal.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou Thiago, marido e pai. Também sou outras coisas, mas praticante mesmo, só marido e pai. Meus filhos, Dante e Gael, nasceram em casa e, desde o nascimento do Dante, mergulhamos no ativismo pelo parto e pela criação com apego. Hoje, sou líder do grupo de apoio para criação com apego: API Rio, e também educador parental certificado para disciplina positiva.
X