Sobre Mercados e Bebês

"Ir ao mercado com um bebê pode ser uma aventura e tanto, ainda mais se o bebê quer fazer as compras do jeito dele. Podemos fazer com que as compras sejam um momento de diversão ou um momento de frustração, choro, briga e vergonha. É tudo questão de expectativas realistas e empatia. Como proceder?"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Era um dia normal. Eu estava no trabalho e cheguei em casa no início da noite, mas nesse dia precisávamos ir ao mercado e comprar algumas coisas que estavam faltando em casa, principalmente frutas e outros alimentos. Normalmente, nós três vamos ao mercado e, enquanto um fica correndo atrás do Dante, o outro faz as compras. Só que, dessa vez, a Anne não tinha condições de ir por causa de uma virose e da gravidez. Sabe como é, a gravidez traz um cansaço de outro mundo para a gestante. Não sabia da novidade? Pois é, teremos outro bebê para alegrar nossas vidas! Eu contei essa novidade na fanpage do blog então, se você quiser, dá uma passadinha lá.

Anne estava muito indisposta para ir à rua conosco e não dava para adiar as compras, então fomos eu e Dante ao mercado que, na época, tinha 1 ano e 9 meses. E como a Anne não estava em seus melhores dias, também não conseguiu sair de casa com o Dante durante o dia. Eles costumam ir à pracinha, ou fazer algum outro passeio ao ar livre para ajudar o Dante a extravasar a energia dele. Mas nesse dia, ele ficou dentro de casa o dia inteiro, então era de se esperar que ele estava indócil para sair de casa.

Em um dia comum, o Dante já gosta de sair correndo por aí, principalmente dentro de mercados. Mas como havia sido um dia atípico para ele, fiquei um pouco apreensivo do que nos aguardava no mercado. Apreensivo com o risco de perder a paciência com ele em algum momento, depois de um dia cheio de trabalho. Sabe aquela história da fera interior? Bem por aí.

Chegando lá, estava cheio de esperanças de que ele fosse ficar sentado no carrinho de compras e, se tudo desse certo, tudo seria tranquilo e rápido. Agora, por que eu continuo me iludindo quanto a isso, eu não sei. Se você souber a resposta, coloque aí nos comentários, pois certamente ajudará muitos pais e mães iludidos que acompanham o blog!

Dante, de imediato, recusou o carrinho de compras. Ele sempre ficava boa parte sentado lá, mas dessa vez nem quis entrar. Queria andar no chão, ajudando a empurrar o carrinho. Tudo bem, essa combinação ainda poderia dar certo (e eu insistindo em me iludir). A lista era bem extensa: frutas, pastas, biscoitos, pães, sucos e coisas do tipo, mas quando se tem um bebê andarilho, que adora explorar e andar pelos corredores do mercado, é impossível pegar os itens da lista seguindo uma sequência lógica. Em situações como esta, eu tenho que me contentar em pegar os itens que estiverem ao alcance, no caminho que o Dante percorre.

Isso não era algo que eu realmente lamentei, porque já estava acostumado com essa dinâmica e esperando que fosse ser dessa maneira. Afinal, quem teve a brilhante ideia de levar um bebê ao mercado foi eu, não o próprio bebê.

Mas a coisa foi ficando mais complicada. Eventualmente, ele disparava a correr pelo mercado, então parava, começava a empilhar as caixas de saladas de frutas, corria de novo, empilhava caixas de sucos, corrias mais um tanto e continuava nesse processo. Foi só então que eu comecei a perceber todas aquelas pessoas do mercado que nos olhavam. Eram olhares que me julgavam. Comecei a sentir uma certa vergonha dos olhares, vergonha do que pensavam de mim, vergonha de que estivessem avaliando a minha performance enquanto pai. Julgando tratar de um pai que não impusesse limites, e que estaria criando um pequeno rebelde, uma criança problema. E quando você entra nessa espiral de sentir-se julgado como incompetente, fica difícil sair dela.

Compre o meu livro e ganhe uma dedicatória personalizada!

O sentimento de vergonha foi me consumindo, até que tentei pegar o Dante no colo para agilizar as compras, e mostrar àquelas pessoas que eu sou um pai que impõe limites e tem controle total sobre o próprio filho. Quem manda aqui sou eu! Dante berrou, protestou e chorou muito. Mas, ao invés de sentir-me ainda mais envergonhado, a sensação foi diferente. Aquele choro dele me trouxe de volta. Voltei a mim e olhei para o meu filho. Lembrei que o dia não havia sido fácil nem para ele, nem para a mãe dele. Lembrei que, de fato, aquela atividade estava sendo sua primeira atividade externa do dia, às 7:00 da noite. Lembrei que ele era apenas um bebê que foi levado a um mercado e estava se comportando como um… bebê.

O mercado era o divertimento dele naquele momento, então por que agarrá-lo no colo a qualquer custo, chorando, só para fazer as compras de qualquer jeito? Não fui eu quem decidiu levar um bebê, afinal? Se eu quisesse fazer compras em condições normais e tempo recorde, por que teria levado um bebê comigo, então?

Isso trouxe paz ao meu coração, e imagino que ao coração do Dante também. Nós dois percebemos que a tensão se dissipou entre nós e logo, logo, tudo estava mais tranquilo. Parecia até mágica, mas o clima ficou mais leve e ele começou a aceitar o meu colo em alguns momentos (momentos estes que eu usava sabiamente para correr com as compras), mas ele voltou a se divertir no mercado pegando as frutas e colocando-as no carrinho, roubando uvas do carrinho para comer, colocando pães dentro do saco de pães, empurrando o carrinho e, claro, correndo eventualmente pelos corredores do mercado.


A diferença era que, dessa vez, eu não me sentia mais afetado pelos olhares tortos das pessoas. Eu havia enxergado aquela situação com os olhos de quem mais me importava no momento: os olhos do meu filho.

Eu poderia facilmente ter me deixado levar pela frustração de não conseguir fazer as compras como faria normalmente. Levei pelo menos o dobro do tempo, mas a questão é que eu já não tinha essa expectativa mesmo. Acho que foi isso que nos ajudou, no final das contas: eu fui ao mercado com um bebê, sabendo que estava indo ao mercado com um bebê.

Por que transformar uma atividade com um bebê em algo extremamente desagradável, pelo simples fato de que ela precisa atender nossas expectativas e padrões do mundo adulto? Até que ponto isso vale a pena?

Uma ida ao mercado pode, afinal, ser divertida. É só uma questão de expectativa e empatia.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email.

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou Thiago, marido e pai. Também sou outras coisas, mas praticante mesmo, só marido e pai. Meus filhos, Dante, Gael e Maya, nasceram em casa e, desde o nascimento do Dante, mergulhamos no ativismo pelo parto e pela criação com apego. Hoje, sou líder do grupo de apoio para criação com apego: API Rio, e também educador parental certificado para disciplina positiva.

Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app

X