fbpx

Uma carta de um pai que se transformou pelo afeto

"O que mais precisamos é disso: homens que se transformam e quebram o ciclo da violência através do afeto, numa paternidade ativa e presente."
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Uma das perguntas que mais recebo das mães é “como posso fazer o pai dos meus filhos ser mais afetuoso e participativo na criação dos nossos filhos?”. Não tem uma vez que eu leia essa pergunta e não fique com o coração triste, porque sei que é um dos maiores problemas que temos hoje: pais que não são pais.

Mas como resolver isso? O problema é bem complexo, porque tem suas raízes no machismo, nesse lugar em que o homem não cuida, porque isso é “coisa de mulher”. Vivemos numa sociedade que criou homens para serem os melhores atletas, guerreiros, empresários, mas não os melhores pais.

Justamente por isso que esse é um problema complexo, porque exige que o homem “abra a porta por dentro” e comece a questionar seu papel enquanto homem e pai na sociedade. É trabalho de formiguinha, mas que, de vez em quando, nos presenteia com palavras como as de Daniel Miranda na carta que convido você a ler — e se inspirar.

Sou pai de terceira viagem. Tenho 2 filhos, os quais “eduquei” através da educação “tradicional” – batendo, gritando, castigando… reproduzi neles o que “aprendi” através da forma com a qual fui “educado” pelo meu pai (o excesso de aspas é redundante de propósito, pois preciso ilustrar o quão incomodado fico ao tratar do assunto).

Hoje, eles têm 24 e 25 anos, respectivamente, e conversamos abertamente sobre os traumas que causei neles pelo meu posicionamento “paterno” (medo do escuro, insegurança, abandono emocional, revolta pelos momentos de dor e outros).

Em paralelo a essa educação autoritária, os tratei e trato com muito amor e carinho, e para eles isso ainda é um tanto confuso. Talvez para mim também seja, pela culpa que carrego ao comparar o pai que fui com o pai que hoje sou.

Eu tenho uma filha de 4 anos do meu relacionamento atual e estamos nos permitindo uma criação com apego que eu nunca imaginei ser possível. É simplesmente absurda a forma com a qual as coisas, caminhos e escolhas mais óbvias de uma criação com apego estão na nossa frente, nessa paternidade recente e estavam também logo ali, quando eu tive a oportunidade de ser o pai que não fui para os meus dois filhos mais velhos, mas não me preocupei em sê-lo.

Talvez pela atmosfera naquele momento. Pela ignorância naquele momento. Por ser muito jovem naquele momento. E isso dói. Infelizmente, não posso voltar no tempo para refazer os passos em relação aos meus filhos, nos dando a oportunidade dessa criação que estou aprendendo a cultivar, praticar e sim, multiplicar com os meus amigos, papais recentes, para que eles não cometam os mesmos erros que eu cometi. Estou aproveitando cada momento oportuno para colher as vitórias, triunfos e conquistas em cada reflexo dessa escolha. Muito obrigado… e preciso dizer:

Thiago, você é muito necessário, cara!

Obrigado.

Daniel Miranda

Quando nos dispomos a criar novas histórias com nossos filhos e quebrar ciclos de violência, todos ganham. Todos mesmo.

É justamente nessa jornada do afeto que nós, homens, desconstruímos e nos transformamos.

E sobre o que é realmente necessário: que os homens conversem sobre essas transformações, que questionem outros homens, e redescubram modelos de masculinidades mais saudáveis através da paternidade.

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Pai de quatro, escritor, educador parental, criador do site e canal no YouTube Paizinho Vírgula!, host dos podcasts Tricô de Pais e Vai Passar, autor dos livros "Abrace seu Filho" e "A Armadura de Bertô", e participou do documentário internacional "Dads".

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Pais Maternos? | Paizinho, Vírgula!

Pais maternos existem ou só são pais exercendo o seu papel? É tentador criar novas denominações para os pais que exercem a sua paternidade ativamente mas será que não estamos criando uma distorção de papéis? Falamos sobre isso e também sobre os possíveis impactos na relação entre o casal. 5 Dicas para o Home office

Leia mais »

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

QUER MAIS CONTEÚDO?

assine agora e receba o melhor sobre relacionamentos e infância, de graça!