fbpx

Disciplina Gentil Para Iniciantes: Estabelecendo Limites

"Como resolver conflitos gerados pelos limites que são necessários de serem estabelecidos aos seus filhos, mas tudo isso feito de maneira amorosa e com empatia."
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

Há alguns dias, li um texto incrível sobre limites, na visão da disciplina positiva. Um exemplo prático de como se deve resolver conflitos gerados pelos limites que são necessários de serem estabelecidos aos seus filhos, mas tudo isso pode (e deve) ser feito de maneira amorosa e com empatia. Esse texto é da Gauri que muito carinhosamente me autorizou a traduzir o texto. Aproveite também para visitar blog dela: Loving Earth, Mama!

Tem um detalhe muito interessante, porém. Quando pedi autorização para traduzir o texto, recebi algumas (várias) risadas da Gauri em resposta. O motivo? Gauri é portuguesa e esse era o primeiro pedido que alguém fazia para traduzir um texto dela para a sua língua nativa. A vida é cheia de surpresas agradáveis!

Disciplina Gentil Para Iniciantes: Estabelecendo Limites

Meu marido é um doce. Ele é também um crianção (no bom sentido) e AMA brincar com a sua filha. Ele é ótimo com as brincadeiras imaginárias, com artesanato e (surpreendentemente) em envolvê-la em atividades… Mas ele geralmente não é tão rápido no quesito disciplina. Eu sou a cuidadora primária e faço a maior parte na criação de limites, na nossa família. Recentemente, ele estava querendo se envolver mais nesse lado da criação, também.

Ele não lê muito sobre criação, mas concorda que a disciplina gentil, positiva é a melhor alternativa não apenas porque parece certo para nós, mas porque funciona – e ele vê nossa filha florescendo com essa abordagem. Hoje, eu o vi aplicar um limite e pensei que era um “livro texto” (em um livro de Connection Parenting – Criação com Conexão, presumo eu), então eu pensei que eu poderia compartilhar isso, já que é um exemplo tão claro:

  • Ele estabeleceu o limite (não andar de scooter dentro de casa). Ele disse isso gentilmente e com compaixão,mas também firmemente.
  • Ele segurou o limite (ele literalmente segurou a scooter e disse “eu não vou deixar você andar com ela na sala”). Sua linguagem corporal foi clara, também. Isto não iria acontecer (andar de scooter dentro de casa) – mas ele estava no nível dela, falando com um tom uniforme e pronto para ouvir tanto quanto para “dizer”.
  • Ele empatizou com a Nika. Ele ouviu e validou todos os sentimentos dela pelo período que ela precisava para expressá-los – toda a sua raiva e tristeza sobre esse limite e não podendo fazer a coisa que estava pronta para fazer. A maioria dos seus sentimentos ela expressou através do choro. (Ele disse coisas como: “eu posso ver que você realmente queria andar de scooter aqui. Parece muito mais divertido, né? Mas não é seguro. Você poderia escorregar ou poderia arranhar nosso novo piso de madeira, ou você poderia passar por cima de um dos seus brinquedos… Você pode andar lá fora sempre que quiser. Apenas peça e você poderá andar de scooter no pátio”. Ele continuou nessa linha – embora, de maneira geral, ele tenha ouvido MUITO mais que falado)… Ele também abriu espaço para negociação e comprometimento. Ele respondeu a todas as perguntas dela e no final concordou em um compromisso, ela pode andar de scooter sentada (sugestão dela) bem devagar e cuidadosamente, ela irá ajudar a limpar o chão antes de andar, se houver “detritos no chão” mas ela não pode andar no quarto. Andar de scooter está estabelecida agora como uma atividade ao ar livre em nossa família.

Para mim, esta é a simples fórmula para criar limites amáveis:

  • estabeleça o limite
  • segure o limite, firme mas gentilmente
  • escute e seja empático com tudo que surgir com o seu filho em reação ao limite

E você pode usar essa fórmula para qualquer limite que você precise estabelecer, desde “não bata ou morda” até “sim, mamãe precisa mesmo sair agora” e se possível, você fica com eles o tempo necessário até que eles “digam” para você (normalmente em lágrimas) o quanto aquilo é uma droga para eles, ou quão tristes ou com raiva eles estão. E pessoalmente eu acho que assim que este processo estiver concluído, todos nós vamos nos sentir mais próximos uns aos outros e prontos para “reagrupar o cardume” novamente, cooperar e mover-se juntos como uma família. Eu posso sentir isso em mim e ver isso no comportamento da minha filha, enquanto que ela se torna invariavelmente mais livre, confidente e empenhada.


Eu compartilho isso sabendo que castigos são a escolha do momento. E eu entendo que de muitas maneiras os castigos são mais fáceis e têm “efeitos” visíveis mais imediatos, entretanto eu não acho que castigos são a melhor escolha a longo prazo. Eu espero que você considere o “amor amável” como uma das (muitas) alternativas eficazes aos castigos. E para qualquer um que estiver imaginando, aqui estão alguns artigos que realmente entram em todos os pontos negativos dos castigos:

Thiago Queiroz

Thiago Queiroz

Sou pai do Dante, Gael e Maya, e crio conteúdos para ajudar famílias a criarem seus filhos com afeto, empatia e sem violência. Sou líder certificado de grupo de apoio pela Attachment Parenting International, e também educador parental certificado pela Positive Discipline Association.

Newsletter

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça

Veja esses conteúdos também!

Disciplina Positiva: Primeiros Passos

A verdade é que existe a disciplina autoritária e a disciplina permissiva. São os dois extremos. Em um, você tole, pune e agride seu filho. Em outra, você o...

Comentários

23 comentários em “Disciplina Gentil Para Iniciantes: Estabelecendo Limites”

  1. Rondinele Oliveira

    Olá Thiago, vi sua família pela primeira vez no casamento de uma amiga em comum, a Paula Tavares. Fiquei durante um bom tempo observando o Dante e Gael brincando na pista de dança durante quase toda a festa, e após assistir a matéria de vocês no fantástico, a Paulo indicou o canal do YouTube, que até então tenho acompanhado! Para a nossa surpresa, poucos dias após o casamento, descobrimos que teríamos um bebê a caminho. Maitê nascerá em Maio, e já vamos desde cedo por em prática a disciplina positiva, visando sempre uma convivência bem harmônica em nosso lar. Temos dois cães em casa, o Juca e a Antônia, e gostaríamos de saber como podemos introduzir os nossos filhos de patas na criação da Maitê! Abraço, e parabéns!

    1. Thiago Queiroz

      Oi, Rondinele! Que bacana saber disso! Desejo que a Maitê chegue ao mundo com muito amor 🙂

      Sobre sua dúvida, é só uma questão de encarar com naturalidade mesmo. Se você afastar o convívio dos cães, pode fazer com que eles sintam ciúmes de verdade,

      Abraços!

  2. Rosana Pinheiro

    Olá Tiago! O link para o texto original do ‘diciplina gentil para iniciantes, estabelecendo limites’ não funciona para mim. Eu quero muito que meu esposo (belga!) leia. Texto excelente e sussinto. Você pode me ajudar? Muito obrigada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a Newsletter!

Não perca o melhor do Paizinho no seu email. De graça!

Baixe agora o app do Paizinho, Vírgula!

É grátis! Tenha acesso a todos os meus conteúdos na sua mão e outros conteúdos exclusivos que só sairão no app